terça-feira, 19 de julho de 2011

Mito - injeção localizada (hormônios sintéticos anabolizantes)

          Atenção, adeptos da "injeção localizada":

          Os hormônios esteróides anabolizantes, para causarem hipertrofia no tecido muscular, precisam encontrar o núcleo da célula; os núcleos das fibras musculares contém receptores para esses hormônios, que os reconhecem e permitem sua entrada e atuação. O número de receptores no núcleo das células varia de pessoa para pessoa (uma pessoa pode ter até 300% a 500% a mais que outra), e isso é o que define a facilidade ou não da hipertrofia muscular num indivíduo.
          A técnica de se aplicar injeção intramuscular no ombro ou no glúteo se dá pelo fato de essas serem as áreas de maior massa muscular, diminuindo o risco de a agulha pinçar um nervo e causar danos teciduais. O que se espera é que o hormônio injetado seja carregado pela corrente sanguínea para ser distribuído a todas as partes do corpo homogeneamente.
          No caso de uma injeção localizada, além de a agulha poder pinçar um nervo ou mesmo um osso, o hormônio terá dificuldades para ser distribuído, geralmente pela menor irrigação sanguínea que caracteriza os músculos menores, podendo ainda lesionar ou mesmo necrosar o músculo afetado.
          Então, é notável que o hormônio esteróide anabolizante não atua diretamente no músculo, e sim no núcleo da célula muscular, onde será identificado e atuará conforme a substância. A afirmação de que o músculo que receber a injeção localizada irá hipertrofiar mais que os demais músculos do corpo é um mito.
          Observação importante: isso não quer dizer que um atleta deva sair injetando hormônios em seus ombros e glúteos deliberadamente; essas substâncias não são adequadas para indivíduos saudáveis, tendo sua função direcionada a doenças específicas, como raquitismo etc. e só pode ser administrado com prescrição médica.

Nenhum comentário: