sexta-feira, 22 de julho de 2011

Metodologia da Pesquisa (Introdução)

            Pesquisar é estudar o que não se conhece ou se tem dúvidas, para retificar erros.
            Não se deve ter medo de errar; deve-se ousar um pensamento novo, uma indagação, um questionamento; deve-se descobrir problemas; deve-se aprimorar dúvidas, indagações, questionamentos; deve-se ler e estudar um tema (levantar artigos, buscar professores etc.).
            Deve-se chegar ao fim do curso com uma base teórica consistente para que seja criado, pelo aluno, um projeto de pesquisa com conteúdo coerente (reflexão sobre um tema ou um problema) e com condições de ser apresentado em encontros científicos, simpósios, congressos.
            Projeto não tem conclusão; é uma carta como uma base, a intenção para se realizar um trabalho (carta de intenção, pequena base teórica: o que fazer? Por que fazer? Como fazer?).
            Para que exista um problema de pesquisa (um verdadeiro problema) a ser questionado, é necessário base teórica (embasamento científico), fontes para buscas de informações e não somente ser colocado como uma questão de senso comum, de opinião popular (achismo). Mesmo assim, a pesquisa é aproximar-se da verdade, e não encontrar a verdade absoluta.
            A ciência concilia objetividade com subjetividade.
            Uma pesquisa de ciências humanas – com características biológicas – é interpretativa porque é embasada histórica e socialmente (é um concreto pensado, refletido, reorganizado); não é como as ciências da natureza, que são mais concretas (porém, não completamente, porque não existe verdade absoluta).
            Deve-se constatar algo (às vezes, as constatações são diferentes, mas não deixam de ter crédito); construir e, finalmente, comprovar.
            O conhecimento acumulado não existe; quando novas verdades são buscadas não se trata de acúmulo de conhecimento e, sim, da “desconstrução do conhecimento”.
            Quando se busca a razão do que se faz, constrói-se e desconstrói-se conhecimento e, às vezes, se encontram contradições.

            Exemplo para exercício
            Violência na juventude
            Apresente uma breve “reflexão” (de antemão, deve-se conhecer o tema; é diferente de opinião) sobre o tema (tese): a idade de 18 anos que hoje permite um sujeito ser processado criminalmente deve ser reduzida para 16 anos. Apresente argumentos contra ou a favor dessa tese.
            A favor; porque habitua o adolescente à conduta legal desde cedo.


            PROJETO DE PESQUISA
            Capítulo I
            Introdução
            Apresentação do tema; explicar porque escolheu determinado tema etc.
            Capítulo II
            Entendimento inicial a partir dos autores de sua pesquisa (descrever a temática segundo alguns autores).
            ANTEPROJETO: capítulos I e II
            Capítulo III
            Técnicas de pesquisa – metodologia
a) Pesquisa teórica: só textos ou publicações já impressas (pesquisa bibliográfica, exploratória), não vai a campo, em linhas gerais. Deve-se ter objetivação: não manipular dados, relatar a realidade como ela é.
b) Análise documental: pesquisa só com documentos.
c) Pesquisa teórico-empírica (prática, isto é, da realidade): ir a campo (entrevistas, observações, questionários, testes, com pessoas).

Nenhum comentário: