segunda-feira, 4 de julho de 2011

História da Ginástica Geral

             Desde a chamada “Idade da Pedra”, o ser humano já exercitava o corpo naturalmente, devido às necessidades básicas existentes na época, tal como caçar para obter alimento, competir entre si, nadar, subir em árvores e até mesmo dançar. Mas foi na Antigüidade que a Ginástica começou a tomar uma forma mais racional. Na Grécia, saltimbancos e acrobatas com suas expressões e esforços corporais começavam a “moldar” a Ginástica.
            Na Idade Média, como forma de diversão, os egípcios realizavam torneios de habilidades e danças; foi aí que surgiu o nome “ginasta”, que designava os que praticavam a atividade física, geralmente em castelos medievais.
Gregos e romanos também conheciam a importância do corpo e dos seus movimentos e limites, mas tinham influências orientais, que variavam conforme a localização dos habitantes.
            No século II d.C., foram aprimorados os pensamentos pela busca da saúde através dos exercícios, com movimentos que exigissem maiores esforços.
Mas a Igreja, a partir do século XVI, começou a condenar os torneios de lutas e os combates a cavalo, trocando-os por carrossel e corridas em círculo.
            A história da Ginástica Geral tem origem na Grécia, onde as idéias defendiam a prática de exercícios ao ar livre, alongamentos e boa alimentação, visando à performance corporal, à saúde e à beleza. Os exercícios deveriam ter grau de dificuldade aumentados conforme o nível de capacidade atingidos pelo atleta e, com isso, obtendo resultados satisfatórios como o aumento da força, do volume de massa muscular etc.
            Assim, a Ginástica em geral foi avançando os demais continentes, sendo modificada e ampliada, com um proveito e uma integração internacional cada vez maior, chegando ao Brasil influenciada pela política e pelo patriotismo alemães e suíços – como a Ginástica corretiva e profilática – cuja contribuição de Ruy Barboza inspirava, com suas idéias, profissionais das diversas áreas.
            A partir de 1950, regulamentou-se o ensino universitário que formava professores de Educação Física, e já há alguns anos fora criada a Divisão de Educação Física do Ministério da Educação e Saúde. Pouco antes disso, Getúlio Vargas tornou obrigatória a Educação Física nas escolas, por influências militares francesas.
            A Ginástica brasileira desenvolveu-se cultural e tecnicamente, ainda mais durante o período 1930/1960, quando a participação de atletas profissionais estrangeiros de diversas áreas da Educação Física contribuíram nos cursos de formação de professores.
            A conseqüência do crescente número de faculdades de Educação Física que podemos observar nos últimos 30 anos é o progresso e a divulgação do desportismo, e a proliferação de academias de ginástica, onde são encontradas especificidades, de acordo com a necessidade e o objetivo de cada um.

            Bibliografia: ABC da Ginástica – Dayse barros.

8 comentários:

Anônimo disse...

Esse texto me salvou;)
Bgd....

maria rita disse...

esse texto me salvou obgd... se nao fosse ele tiraria zerooo.
:)

Anônimo disse...

tenho certeza que esse texto vai me salvar de tirar um zeroo ;)

Anônimo disse...

nossa me salvou ....obgdo

Anônimo disse...

Ainda bem que esse texto me salvou de tirar zero graças a deus

Anônimo disse...

Mtoo boom

Anônimo disse...

Cara ñ era isso q procurava mais me ajudou valeeeeu

Anônimo disse...

Obrigada Blogge por ter me salvadoo ;)