sábado, 2 de julho de 2011

Anatomia do Sistema Digestório

          Etapas: quebra mecânica, quebra química, absorção e excreção, através do tubo gastrintestinal, que vai da boca ao ânus. O tubo digestivo do ser humano tem característica intermediária entre carnívoros e herbívoros. O tipo de alimentação de cada espécie caracteriza a sua classe de dentes.

              O comprimento do tubo digestivo humano é de 8 m; os tubos digestivos mais longos (vegetarianos) possuem moléculas com atividade neural, geradas por aminoácidos: são as aminobiógenas.
            Boca: 1º esfíncter. Rima bucal coberta por mucosa de transição (tem pouca queratina, portanto é seca): lábios – primeira cavidade (vestíbulo); dentes; outra cavidade (cavidade da boca propriamente dita). O primeiro esfíncter do tubo digestivo é o músculo orbicular da boca.
            Língua: órgão muscular (músculo envolvido por mucosa); possui músculos intrínsecos e extrínsecos (ex.: palato-glosso). Porções: posterior (parte de cima), base (parte fixa) e raiz.
            Músculos da língua: gêmeo-glosso – puxa a língua para baixo; hioglosso (no osso hióide) – protusão e puxa a língua para baixo; estiloglosso (do processo estilóide) – puxa a língua para trás e achata.

            Parótida: envolve a articulação temporo-mandibular (sob a pele, impalpável). Tem um ducto (o ducto parotídeo) que entra na boca “furando” o músculo bucinador, que esvazia o vestíbulo. Esse ducto fornece saliva fina constantemente.
            Glândulas acessórias: salivares, pâncreas e fígado.
            Sub-mandibular: possui um ducto que se abre na mucosa sob al língua. Local onde se encontra o músculo miloióide, que faz parte do “assoalho” da boca.
            Sub-lingual: encontra-se na parte anterior da base da língua; desemboca na papila carúncula sub-lingual.
            Orofaringe: palato duro e palato mole (formam o céu da boca).

            Palato mole: 2º esfíncter. Possui 5 músculos, cujo local de inserção é o rafe palatino.
            Músculos da deglutição (involuntária): músculo da úvula, músculo palato-glosso, músculo palato-faríngeo, músculo elevador do véu palatino, músculo tensor do véu palatino.
            Músculos da mastigação: masseter, temporal, pterigóide lateral, pterigóide medial, bucinador (acessório da mastigação).
            Enzimas salivares (as enzimas agem e são secretadas na água): lipase salivar e amilase salivar (ptialina).
            3º esfíncter: esfíncter esofagiano superior.
            Esôfago: órgão tubular simples; “fura” o diafragma e entra no estômago; encontra-se no mediastino posterior (atrás do coração), e tem relação com a traquéia e a aorta. Tem três porções: cervical, torácica e abdominal. Seu furo é chamado de iato esofágico. Possui músculo esquelético estriado, e algumas pessoas têm capacidade de controlá-lo; não é absortivo, e possui três camadas: externa (conjuntiva, com adesão a outros órgãos digestivos); média (que se divide em externa longitudinal e interna circular, em relação às fibras); interna (mucosa).
            4º esfíncter: esfíncter esofagiano inferior (fisiológico); também é chamado de cárdia.
            Estômago: seu pregueamento possui sulcos contínuos longitudinais para expansão; são, basicamente, macrovilosidades. Cada pedaço do tubo digestivo tem seu pregueamento característico. Forma do estômago: tem forma de “J”, com uma curvatura maior e uma menor. Divisão: fundo, corpo e antro pilórico. Entradas: cárdia (abertura do esôfago para o estômago) e piloro, que é o 5º esfíncter (abertura inferior do estômago). Seu pH varia de 1 a 3.
            Vísceras abdominais: localizam-se na cavidade abdominal; são revestidas por tecido conjuntivo espesso de dupla camada (peritônio), semelhante à pleura e ao pericárdio. O peritônio tem duas porções: peritônio visceral e peritônio parietal, e pode envolver um órgão completamente ou não. Essa membrana dupla visceral é como uma bolsa (omentomentar) que vai do fígado para o estômago (o omento maior reveste o intestino grosso).
            O omento maior tem função não de bolsa, mas de “avental”; peritônio com muita gordura e vasos para manter o calor da cavidade abdominal para a ação das enzimas digestivas.
            Órgãos peritoniais (revestidos completamente por peritônio); órgãos retro-peritoniais (não são revestidos, mas são banhados pelo liquido peritonial na cavidade peritonial (ovários).
            Intestino delgado: duodeno (12 dedos); jejuno; íleo.
            O pregueamento do duodeno difere do do estômago por um pregueamento circular (horizontal) que vai aumentando do estômago para o jejuno (da proximal para distal); recebe tubos do pâncreas e do fígado na porção descendente (do duodeno); essa porção tem maior atividade por receber secreções pelos ductos pancreático e hepático comum.
            O pregueamento do duodeno e do jejuno não é distensível (pois sua função é aumentar a superfície de absorção), enquanto o pregueamento do estômago e do esôfago são distensíveis (função de expansão); se for distendido, o pregueamento desaparece.
            Após os ductos pancreático e hepático localiza-se o colédoco (união dos ductos).
            A parte superior desses ductos possui um esfíncter paralelo: é o 6º esfíncter, chamado esfíncter de Oddi.

            A boca é absortiva (absorve medicamentos lipossolúveis, água e sais). No caso de um usuário de cocaína, o resto da droga é posto na gengiva ou sob a língua e a droga cai direto na circulação; ocasiona mudança de hálito e gengivite (pode haver perda de dentes).
            No caso de diarréia, coloca-se sódio sob a língua, ocasionando retenção de água no intestino; os remédios contra diarréia são inadequados por prolongarem a ação das bactérias que impedem a absorção de água; eles apenas curam a dor, mas a diarréia continua.
            O excesso de aminoácidos no estômago abre o piloro e inibe a pepsina, fazendo com que alimento passe direto pelo estômago sem ser ingerido (principalmente proteínas). Por isso, é recomendável a ingestão de suplementos aminoácidos isoladamente.
            A ingestão de álcool e gordura simultaneamente diminui a absorção de álcool no intestino delgado, pois o estômago é muito absortivo do álcool, e fará essa função. Apesar disso, o efeito do alcool no reflexo do indivíduo não é amenizado.
 Glândulas salivares