sábado, 2 de julho de 2011

Anatomia do Sistema Nervoso

NEUROANATOMIA

            Medula – transmite informações.
            Substância cinzenta – corpos dos neurônios.
            Substância branca – axônios (parte mielinizada).


Saem da medula dorsal: raízes sensitivas, que são vias ascendentes transmitindo informações sensitivas.
            Entram na medula ventral: raízes motoras, que são vias descendentes transmitindo informações motoras e de reações (respostas a estímulos).
            Quando essas raízes se unem, formam os nervos.

Medula Espinhal
            



Meninges que revestem o cérebro e a medula espinhal: duramáter (mais dura e mais externa), aracnóide (fina, intermediária) e piamáter (mais fina e mais interna).
           






              Fascículo próprio: envolve o H medular e distribui as informações sensitivas através do fascículo dorsal de Lissau. No H medular se encontram os corpos dos neurônios; neurônios semelhantes formam núcleos (ou substância gelatinosa); lâminas 9: motoneurônios (situam-se no corno anterior do H medular).


Vista do H Medular

NERVOS CRANIANOS

Bulbo – tem pirâmides, que são fibras descendentes que vão entrar na medula. As fibras se cruzam no bulbo, formando a decussação das pirâmides. Mais lateralmente às pirâmides, há um par de olivas; o núcleo olivar manda projeções para o cerebelo.
Ponte – logo acima do bulbo, e manda informações para o cerebelo. Esse recebe 3 saídas: ponte média, ponte inferior e ponte basal; são locais onde situam-se os núcleos contínuos.
Alguns nervos:
Nervos abducente, óculo-motor e troclear: responsáveis pelo movimento dos olhos;
Nervo ótico (ou oftalmo); visão;
Nervo hipoglosso: movimentos da língua;
Nervo vago: coração e outros órgãos;
Nervo facial (entre a ponte e o bulbo): músculos da mímica facial.
            No tubérculo cuneiforme está situado o núcleo que recebe informações vindas de baixo.
            Nervo misto trigêmeo: mastigação e sensibilidade de dentes e face (mais sensitivo que motor).
            Mesencéfalo: está situado acima da ponte.
            Diencéfalo: local onde situa-se o tálamo (núcleo do relé: retransmissão de informações).
            Fibras a-α: transmissão rápida da informação (dor aguda). Receptores: exteroceptores (informações de fora); propioceptores (percepção de movimentos e posições) e interoceptores (órgãos).
            Via cordão dorsal – lemnisco medial: grupo de fibras de condução rápida; propiocepção, vibração e tato epicrítico (fino). Coluna dorsal é o local onde a via se inicia.
Fascículo grácil (inferiores, abaixo de T-6) e fascículo cuneiforme (superiores, acima de T-6) – se unem, formando o lemnisco medial; mais acima, se distribuem no tálamo e no córtex cerebral.
Sistema ântero-lateral: essa via se cruza na medula; não sobe pelo cordão posterior (sistema de transmissão de informações). Responde por: temperatura (fina e crônica), dor (aguda e crônica); tato (grosseiro e fino). Via ascendente.
Via cortiço-espinhal: via descendente lateral, situada na camada 5 do córtex  (motora). Suas fibras são pouquíssimo mielinizadas, isto é, são lentas. Sua cápsula interna possui o maior feixe de fibras descendentes que existe, e que se cruzam na decussação das pirâmides.
Nem todas as vias que descem cruzam.
As vias motoras chegam à medula ventral, lâminas 9.



TRONCO CEREBRAL

Diencéfalo (mais externo)
a)epitálamo: glândula pineal (sistema controlador dia/noite); núcleo da Habênula (desejo, saciedade, emoções) e estrias (vias) medulares do tálamo.
b)tálamo ventral: função motora (o núcleo manda informações para o tálamo etc.)
c)tálamo dorsal (tálamo): recebe informações (sensoriais) e retransmite para o córtex (relé para o córtex), fazendo uma redistribuição. Tem muitos núcleos; o mais importante é o ventral póstero-lateral
d)hipotálamo: é separado do tálamo pelo sulco hipotalâmico; controla saciedade, desejo sexual, emoção, temperatura. Nele se encontra a hipófise, que secreta hormônios.
Mais internamente se encontram o mesencéfalo (logo abaixo do diencéfalo, a ponte e o bulbo, respectivamente.
Telencéfalo: é a divisão primária do Sistema Nervoso Central; local onde se situam os gânglios da base. O córtex é a maior área do SNC; possui 6 camadas (substância cinzenta externa: corpos dos neurônios) e camadas mais profundas e brancas (mielinizadas: axônios). Possui muitos sulcos (entradas maiores), fissuras e giros (entradas menores).
Divisão da maior parte do córtex, de fora para dentro:
- 6 camadas cinzentas
- substância branca
- camada germinativa
-  ventrículo.
A foice cerebral divide o cérebro em hemisférios direito e esquerdo (hemisfério direito: noção espacial; hemisfério esquerdo: fala e expressão). 

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

Atua nos músculos lisos, músculos cardíacos e glândulas.
            Hipotálamo – centro de integração e regulador da função autônoma. É uma parte do diencéfalo.
            Diferenças morfológicas entre Sistema Nervoso Autônomo e Somático (periférico): autônomo – divide-se em simpático (motoneurônios no toracolombar) e parassimpático (motoneurônios no crânio-sacral), quanto à divisão de seus motoneurônios; periférico – os motoneurônios somáticos são responsáveis pelos músculos esqueléticos estriados e encontram-se no corno anterior e dirigem-se para o ramo ventral (os motoneurônios simpáticos encontram-se no corno lateral e também vão para o ramo ventral).
            Os motoneurônios atuam na secreção de glândulas e na contração muscular; essas são as únicas formas que o sistema nervoso tem de manifestar seu funcionamento.

I) Distribuição das células pré-ganglionares;
II) Gânglios próximos ou dentro do órgão efetuador (alvo).


            Diferenças fisiológicas e bioquímicas:
            O sistema nervoso autônomo (simpático/ parassimpático) tem como neurotransmissor a acetilcolina; o sistema nervoso periférico tem como neurotransmissor a nor-epinefrina (noradrenalina).

            Comparação das funções de SN Autônomo e SN Periférico:
            Possuem funções antagônicas; funções isoladas; funções agônicas (mais raro). O simpático atua de forma “exuberante”; luta ou fuga; gasto de energia; não percebe detalhes; catabolismo. O parassimpático armazena energia; anabolismo.
Ventrículos do encéfalo – em estágio precoce, o SNC embrionário é um tubo neural oco. A extremidade superior desse tubo se expande, formando o encéfalo, com a formação de cavidades – os ventrículos - que são contínuos com o canal da medula espinhal.
            Motoneurônios (células da convergência universal): definição, função e lesões – o motoneurônio primário é responsável pela contração muscular (motoneurônios inferiores). É a célula do sistema nervoso que pode ser muscular ou ganglionar. Todos eles estão localizados no gânglio encefálico da medula espinhal; o motoneurônio que está ligado diretamente ao órgão efetor é primário (ou inferior) e as células mais próximas dos motoneurônios inferiores são os motoneurônios superiores (ou secundários). O tubo frontal do córtex ou do tronco encefálico é a área motora do córtex.
            Cortando-se a raiz ventral (motoneurônio primário) há atrofia e ausência de contração muscular. Uma atrofia importante ocorre num motoneurônio inferior lesionado, com perda do tônus, do reflexo, e há paralisia espástica, pouca atrofia, mas não há perda do tônus, nem do reflexo. 

Nenhum comentário: