quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Aprendizagem Motora e Desenvolvimento Motor

Livro: Aprendizagem e performance motora (Crag Wrisberg & Richard Schimidt).

         Exercícios
        
         Descrevendo neurofisiologicamente os principais sistemas sensoriais envolvidos no controle do movimento.
         São os sistemas: visual, vestibular e somato-sensorial.
         Visual – para uma recepção consciente da imagem visual, ela deve ser formada sobre a retina e transformada em impulsos nervosos, os quais são levados às áreas de projeção sensorial nos lobos occipitais. A regulação da quantidade de luz admitida, através da ação da íris, e o alinhamento dos eixos visuais dos dois olhos são reflexos associados com a acomodação. Assim, quando os olhos se acomodam para visão próxima, a lente torna-se mais convexa, os olhos convergem e as pupilas diminuem. A fotoquímica da visão das cores (visão diurna) envolve os cones; cada cone contém um pigmento diferente sensível às luzes vermelha, azul ou verde. A visão normal a cores depende da combinação das mesmas no córtex sensorial. O nervo óptico perfura a esclera no disco óptico para originar a lamina crivosa, e estende-se do disco ao quiasma óptico onde as fibras se cruzam parcialmente – fibras originadas do campo nasal de cada retina se cruzam; aquelas que vem do campo temporal não se cruzam. Visto que as fibras nervosas que nascem da metade nasal cruzam, os estímulos no campo visual esquerdo de ambos os olhos excitam o córtex visual direito. O contrario e verdadeiro para o campo visual direito para ambos os olhos.
         Vestibular – o labirinto ósseo é composto de uma serie de canais perfurados no osso temporal e está cheio de perilinfa; o labirinto membranoso está cheio de endolinfa (orelha interna). O utrículo e o sáculo contem receptores sensíveis a ação da gravidade e a aceleração linear e a desaceleração da cabeça, consistindo de pelos ultrafinos de células ciliadas projetando-se numa membrana gelatinosa contendo cristais de carbonato de cálcio. A ação gravitacional da membrana otoconial curva os pêlos, iniciando impulsos nervosos; a direção da inclinação variara com a posição da cabeça, informando ao encéfalo da orientação dessa cabeça. Na ampola, na base de cada um dos três ductos semicirculares (dentro de cada canal semicircular), ficam receptores para a aceleração angular e desaceleração, consistindo de uma membrana gelatinosa (cúpula) na qual os pelos das células ciliadas se projetam. Os pelos estão voltados na direção oposta aquela da rotação da cabeça e, voltando-se em direções especificas, tem um efeito excitatório ou inibitório sobre a atividade neural. As células ciliadas dos órgãos do equilíbrio sa inervadas por fibras do trato vestibular do VIII nervo craniano.
         Somato-sensorial – entre outros termos frequentemente encontrados em descrições de receptores sensoriais estão os seguintes: proprioceptores – receptores de vital importância para respostas posturais e locomotoras, incluindo receptores sinestésicos, o fuso muscular (receptor de adaptação lenta) e receptores de equilíbrio no ouvido interno. Somestésicos – receptores corporais gerais para sensações percebidas conscientemente. Exteroceptores – respondem a estímulos do meio externo, de uma distancia ou de uma superfície do corpo. Interoceptores – receptores que respondem a estímulos do meio interno, excluindo músculos, tendões e articulações. Os receptores sensoriais mais simples são as terminações nervosas livres – terminações periféricas indiferenciadas de fibras nervosas sensoriais. Um receptor e uma terminação periférica de um neurônio sensorial, ou uma estrutura ou órgão inervado por um neurônio sensorial, que e principalmente sensitivo a um dado tipo de estimulo. Os corpúsculos de Meissner, receptores para o tato discreto, são especialmente numerosos na camada superior da derme, mãos, pés, lábios e papilas mamarias e na membrana mucosa do ápice da língua; os discos de Merkel são encontrados em grande numero na camada epidérmica mais profunda da ponta dos dedos e nos órgãos terminais do pêlo; os corpúsculos de Pacini são receptores sensitivos muito grandes, de pressão profunda. São largamente distribuídos em áreas tais como as camadas profundas da pele e sob membranas mucosas e serosas; os bulbos terminais de Krause, encontrados na parte superior da derme, e órgãos terminais de Ruffini, encontrados profundamente na derme e outros tecidos conjuntivos, tem sido descritos como receptores de frio e calor, respectivamente. As fibras deferentes que inervam o fuso muscular são A-Ɣ. Essas fibras, os eferentes gama, controlam a sensibilidade do fuso muscular, que se adapta lentamente e não se extingue.
         Os aspectos estruturais, as tarefas a serem executadas e o ambiente em que as tarefas são executadas integram esses três sistemas; por exemplo, o sistema vestibular orienta, atua sobre a visão para não perdermos o foco pelo fato de a vista não estar estável com relação ao movimento da cabeça.

         Escrevendo a anatomia cerebelar (neuroanatomia) e explicando a importância do cerebelo no controle do movimento.
         O cerebelo ocupa a fossa craniana posterior. Está separado dos hemisférios cerebrais pela tenda do cerebelo. E oval na forma, com uma constrição central e porções laterais expandidas. A porção central constritada e chamada de vermis e as porções laterais, os hemisférios. O cerebelo parece com o telencéfalo em estrutura, com a substância cinzenta formando uma camada de córtex colocada sobre a superfície, de preferência centralmente localizada. O corte do cerebelo revela duas estruturas de dobras e fissuras delineadas pela substância branca, denominada arbor vitae (arvore da vida). O cerebelo divide-se em lóbulos por fissuras profundas e distintas, que incluem o anterior, o posterior e o floculomodular. Os lóbulos anterior e posterior estão relacionados com a função do equilíbrio. O cerebelo está conectado por vias aferentes e eferentes com todas as outras partes do SNC. Em geral, auxilia grandemente o córtex motor dos hemisférios cerebrais na integração do movimento voluntário.            
         O cerebelo funciona, em parte, por comparar (inconscientemente) impulsos sensitivos (de proprioceptores fornecendo informações sobre a ação de músculos esqueléticos, receptores na orelha interna, detectando mudanças na posição e velocidade de rotação da cabeça, e receptores para o tato, visão e audição) a impulsos do córtex motor e então mandar sinais inibidores ao córtex motor, que promove a atividade motora coordenada e suave. Os impulsos principais para o cerebelo provenientes dos receptores do tato na pele e proprioceptores, que percebem a atividade muscular, vêm do trato espinocerebelar dorsal, que surge a partir do núcleo de Clarke, localizado na região torácica ou lombar superior da medula espinhal; vem também do trato espinocerebelar ventral; vem, ainda, da via da coluna dorsal, situada no bulbo. O impulso sensitivo para o cerebelo não vem somente através das vias de vários receptores antes mencionados, mas também de áreas somestésicas, visuais, auditivas e de equilíbrio, do córtex cerebral.

         Escrevendo a teoria do processamento de informação e dando exemplos (dentro da teoria). Dicas: Teoria ecológica – 1ª teoria – diz que o controle do movimento está baseado onde o ser humano está inserido. Não podemos separar o movimento em si do que estamos tentando alcançar. Sensação – precede a percepção; podemos sentir sem perceber. Diferente de percepção – é um ato consciente e tem significado para o sistema nervoso; existe comparação de informações. O individuo, ao identificar o estímulo, vai ao pré-processamento, depois ao processamento (seleção da resposta) até a ação (resposta). Comparação: sistema de comunicação – sistema nervoso (*). No treinamento: ajustamos os parâmetros de erro através de feedback no sistema; para termos performance: diminuímos o erro até acertarmos. O treinamento modula a ação motora: eficiência; aspectos psicológicos hostis exercem poder, isto é, criam obstrução na recuperação da informação para gerar resposta.
         (*) O sistema de comunicação é determinado não só pelo estímulo, que é a informação que os indivíduos recebem para processar, mas em conjunto com a detecção desse estímulo pelo indivíduo. Uma vez havendo interação estímulo – ser humano, ocorre a interação ser humano – resposta, através do sistema nervoso, com a participação dos sistemas sensoriais e motores que, dependendo da existência ou não de uma experiência prévia e com a ajuda da memória, ocorrerá a escolha da resposta.

         Descrevendo a teoria do programa motor e contextualizando memória dentro dessa teoria. Dicas: quando temos que treinar para condicionar, a informação está no sistema nervoso central. Irá se recuperar eficientemente ou não se estivermos bem a condição do trabalho. (*) Associar o componente de memória. Memória ~ aprendizado: onde estão os programas motores etc. Primeira teoria – armazenamos gestos: são incorporados através de pequenos programas motores que são armazenados não se sabe onde. Segunda teoria – arquivamos programas motores diferentes para o mesmo movimento, mas não se sabe como arquivamos. Terceira teoria - não se sabe como é codificado. Esses três pontos transformaram a teoria em hipótese.
         A teoria do programa motor é descrita através do questionamento do controle de todos os graus de liberdade para movimentos rápidos em duração, quando produzidos em ambientes estáveis e condições previsíveis, uma vez que pré-planejamos o movimento. Além disso, o fato de não haver um controle consciente do movimento simplesmente se dá porque a quantidade de combinações de movimentos musculares e articulares é muito grande. Então, nesse caso, não há feedback e não há capacidade de identificar possíveis erros ou corrigi-los, isto é, como a ação é rápida, não há tempo de processarmos informação sobre erros de movimento.
         Existem três tipos de memória: armazenagem sensorial de curto prazo, memória de curto prazo e memória de longo prazo. Um programa motor elaborado com séries longas de comportamento, quando aprendido, é armazenado na memória de longo prazo, podendo ser “solicitado” a qualquer momento para execução. Foi conceituado que o aprendizado das habilidades de um determinado movimento é processado como programa motor na memória de curto prazo e posteriormente transferida para memória de longo prazo, que é um sistema de memória que retém informação e experiência com duração ilimitada.


         Primeiros estágios da doença de Alzheimer: o paciente só tem memória de procedimento (memória em longo prazo).
         Programa motor – retenção de informações a partir de movimentos. O programa motor nunca foi detectado no sistema nervoso (não há uma região especifica no cérebro); e uma hipótese, uma analogia a maquina (computador). Porem, qual seria o tamanho do nosso “HD” para armazenar uma imensidão de movimentos e gestos que executamos inumeras vezes e duferentes uns dos outros? A relação entre partes do sistema nervoso e bem mais dinamica e delicada do que se imaginava (áreas de integração etc.).
         Cinestesia, somestesia, propriocepção – sub-sistemas do sistema somato-sensorial.
         A tarefa motora tem como parte importante o ensino explicito (e também o implícito); antigamente era mais fácil preparar o atleta  porque era maior a demanda cognitiva; hoje o processo de profissionalização dificulta o ensino, porque a cognição dos atletas atuais e menos trabalhada (porque muitos não tem escolaridade).
         Memoria motora – e arquivada de longa duração (memoria de procedimentos).
         Associamos fatos com eventos.
         Potencial evocado – estímulo a um indivíduo para evocar uma resposta dele (de identificação de um objeto em relação a um evento).

         Descrevendo controle, automatismo e contrastando os dois.

Nenhum comentário: